Crisis Core Final Fantasy VII

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

ANÚNCIO Crisis Core Final Fantasy VII

Mensagem por Dan Ocelott em 13/12/2008, 10:59

Onde a verdade sobre o início ficou por último!


A franquia Final Fantasy já rendeu diversos games para a Square-Enix. A empresa tem diversos outros títulos de sucesso, é claro, mas ultimamente os títulos que mais chamam atenção sempre tem algo a ver com a franquia Final Fantasy (até mesmo Kingdom Heats, que é uma combinação dos universos de Final Fantasy com os personagens Disney e os novos). Antigamente nenhum game da série Final Fantasy tinha uma continuação, algo que mudou completamente de figura, como podemos ver com o projeto FABULA NOVA CRYSTALLIS (vários games que serão baseados em Final Fantasy XIII). Não poderia ser diferente com o mais famoso game dessa franquia, Final Fantasy VII. O jogo original (para PS1 e computador) é tão querido pelos fãs que foi envolvido num projeto de várias etapas, começando com um novo game para Playstation 2 (Dirge of Cerberus, que infelizmente não foi nada bom), um game para celular (Before Crisis, só disponível no Japão), uma animação longa-metragem (Advent Children, até interessante para quem jogou o Final Fantasy VII, pois quem não jogou fica sem entender nada!) e o mais recente game da franquia, exclusivo para o PSP, Crisis Core: Final Fantasy VII.

Esse novo game conta a verdadeira história sobre Zack Fair, um jovem SOLDIER da Shinra que quer se tornar um herói, além de mostrar diversos detalhes do passado de outros personagens do game original (uma vez que Zack está presente nas memórias de outros personagens de Final Fantasy VII, especialmente nas de Cloud). Crisis Core: Final Fantasy VII é um game bem produzido, com uma interessante jogabilidade num estilo action-RPG. Por mais que Crisis Core seja um game diretamente relacionado à série Final Fantasy VII, ele não deixa de ter um ar totalmente original, graças à forma com que a história se desenrola e como você o joga.



Os produtores do game evitaram repetições desnecessárias de cenas CGs, que estão presentes, mas que podem ser evitadas com um simples apertar de um botão (e por sinal, como são belas essas cenas!). Além disso, a jogabilidade também é bem única. No início mais parece um desses games de apertar botões para bater, onde você utiliza do X para desferir golpes ou para executar grande parte das suas ações. Entretanto, com o tempo você perceberá que há estratégia e momentos que lembram turnos (como os poderes invocados pelas summons, as invocações do jogo), pois os combates vão se tornando mais interessantes na medida em que você vai adquirindo ainda mais habilidades. O verdadeiro macete das batalhas é perceber as habilidades dos adversários e pegar o “timing” com que eles desferem seus ataques, para que você tenha como esquivar ou defender no momento certo, tornando o combate até divertido e empolgante.

E como um jogo digno da franquia Final Fantasy VII a presença das matérias (esferas mágicas que contém diversos tipos de poderes, elementais ou não) é indispensável! O jogo tem uma nova forma de trabalhar com elas, que funciona bem por sinal! Em Crisis Core: Final Fantasy VII ao equipar suas matérias elas aparecerão como habilidades em seu menu de combate, permitindo que você escolha entre atacar, usar um item ou qual habilidade das matéria equipadas, navegando pelo menu utilizando o os botões L e R durante o combate. E com o desenrolar do jogo, você facilmente aprenderá a dominar esses aspectos, que se tornarão ainda mais interessantes para os jogadores mais hardcore depois que você liberar o sistema “Materia Fusion”, onde você poderá combinar diferentes matérias para criar outras com novos efeitos.

Combinando isso ao sistema DMW (Digital Mind Wave, algo como Onda Mental Digital) o jogo cria novos elementos para diferenciar (num bom sentido) Crisis Core dos demais games da franquia Final Fantasy VII. Esse sistema mostra três slots que giram continuamente e são eles que determinam uma série de importantes detalhes, como quando você libera Limit Breaks, suas summons e quando você e suas matérias aumentam de nível! Tudo isso dependerá da combinação de figuras e números que o DMW terá e a quantidade de vezes que isso acontecerá também estará ligado às emoções de Zack, outro detalhe que o jogo mostra com qualidade, sejam nos momentos de raiva ou de melhor humor do protagonista. Só é uma pena que a Square-Enix não tenha aprendido completamente a lição, já que você pode adiantar as CGs, mas não as animações dos limits liberados pelo DMW que com o tempo acabam se tornando repetitivas.

Em se tratando do desenrolar do jogo, Crisis Core faz até um bom papel com as missões extras, que podem ser acessadas de qualquer save point. O enredo principal conta de forma interessante a história, prato cheio para os fãs que finalmente terão detalhes dos verdadeiros acontecimentos da história de Zack e sua relação com os novos personagens apresentados, Angeal e Genesis, e com os tradicionais, como Sephiroth, Cloud e Aerith. Pena que nem todo o jogo não seja perfeito, uma vez que você terá total liberdade para explorar ambientes, lembrando um game open-world, porém Crisis Core: Final Fantasy VII não chega a ser um game desse estilo, já que você terá que partir de um ponto a outro pré-determinando para prosseguir com a história.



Os gráficos dispensam comentários. Como já citado anteriormente, as cenas CGs são de tirar o fôlego e os gráficos in-game não ficam para trás, sendo bem detalhados e muito bonitos. Talvez o único problema visual seja o controle de câmera. No geral, você pode controlar a câmera fora das batalhas com os botões L e R, porém há certos locais onde ela tem “vida própria”, modificando o ângulo de visão por si só. Há outros pontos do jogo onde você não tem a opção de movimentá-la (vá lá se saber o porquê!). Já a música nem se fala! A trilha Sonora do jogo é simplesmente fantástica e empolgante, e mesmo aquelas que se repetem muito, como os temas de combates, nunca se tornarão enjoativas!

Com isso, recomendo esse incrível game que conseguiu consertar os danos causados por Dirge of Cerberus no PS2, quanto à questão de games da franquia Final Fantasy VII. Além de ser um bom game para pessoas que nunca tocaram em um jogo da série (o que também não será um problema, já que esse é o início de toda a história), Crisis Core: Final Fantasy VII é prato cheio para qualquer fã de Final Fantasy VII! As recriações de diversos cenários conhecidos por aqueles que jogaram o título original, como os “slums” de Midgar e o reator Mako, além da presença marcante dos velhos conhecidos e a interessante história (com um empolgante desfecho ao chegar em Nibelheim) faz desse game, de aproximadamente 15 horas, um excelente título para o PSP. Agora, dois últimos detalhes: Não jogue ele sem um fone de ouvido, pois com os detalhes da trilha sonora (e a dublagem que não ficou ruim) o jogo empolga ainda mais! E que o final é bem sugestivo para que uma continuação exista, a sim isso é! (Vamos lá Square! Faz o Remake do Final Fantasy VII!)


Plataforma: PSP
Data de Lançamento: 25/03/2008
Distribuída por: Square-Enix
Desenvolvida por: Square-Enix
Gênero: Action-RPG
ESRB Rating (censura): Teen (adolescente)
Nota: 8.8 / 10.0


Fonte dos vídeos: YouTube
Redator: Jeancarlos Silva Mota

_________________
avatar
Dan Ocelott
BIG BOSS
BIG BOSS

Número de Mensagens : 634
Idade : 26
Data de inscrição : 07/08/2008

Ver perfil do usuário http://dmcworld.hightoxic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum